Tag Archives: amizade

Opostas e sempre juntas.

21 mar

Acho engraçado como as coisas simplesmente acontecem. Digo isso porque
ninguém precisaria ter pedido para eu recebê-la bem, ou para que eu me
tornasse amiga dela; quando a vi pela primeira vez, simplesmente soube
que isso aconteceria.
Deixei transparecer a minha empatia quando ela, meio desajeitada e
claramente transtornada com os ares do novo ambiente, deixou cair no
chão seu estojo de lápis. Hoje, ela me conta que achou graça da forma
com que eu me atirei no chão para ajudá-la a pegar suas canetas
coloridas que me lembravam das épocas de cadernos cheirosos e
coloridos da escola. A partir desse primeiro contato, as portas se
escancararam para que ela entrasse em minha vida.
Não sei se foi sua beleza estonteante e suas discretas sardinhas
iguais a da Dori, de Procurando o Nemo, que me chamaram a atenção pela
primeira vez – ela sempre fica enfurecida quando relato essa
semelhança com o personagem aquático do filme; segundo ela, estou
delirando e preciso urgente de internação, porque não tem
absolutamente nada a ver. Mas demorei pouco para perceber que, mais do
que a beleza da minha amiga, o que mais me chamaria atenção nela todos
esses anos seria o seu jeito meio maluco, sem o qual eu não poderia
viver sem.

Eu e minha amiga Roberta Russo, em um dos nossos momentos teenagers!

Eu demorei um pouco para ceder ao fato de que ela havia chegado para
roubar todas as atenções. Suas histórias seriam sempre as mais
engraçadas, seu jeito sempre o mais chamativo, sua companhia sempre
muito cobiçada e disputada. Aos poucos, me tornei dependente dela, a
tal ponto de simplesmente não achar a menor graça quando ela não está.
Há quem diga que somos completamente opostas – comparação que ela,
meio obcecada com o corpo e com a saúde, repudia, dizendo: “Será que é
por que eu sou gorda e você é magra? Eu sou grande e você é pequena?”.
Claro que somos completamente diferentes fisicamente, mas ela, a
pessoa mais exagerada que conheço, está bem longe de ser gorda. Mas
acho que quando as pessoas falam que somos opostas é porque consideram
as nossas personalidades. Ela, completamente sistemática. Eu,
completamente desorganizada. Ela, sempre impecável. Eu, sempre meio
despojada demais. Mas ambas igualmente estabanadas e com um grande
coração.
E quando penso que as coisas estão perdidas, que vou ser duramente
acometida pelo desânimo ou pelo cansaço, ou, quem sabe, pela falta de
inspiração para escrever qualquer coisa, aqui está ela. Sentada ao meu
lado, fazendo com a boca o barulhinho esquisito que ela aprendeu com a
fonoaudióloga hoje. E, sabe o quê? Acho que essa é a grande sacada. É
isso que me faz não conseguir viver sem ela. Não sei o que seria de
mim sem o que ela mesma chama de seu “jeitinho particular”. Se os
opostos se atraem, somos a prova mais concreta disso.

 

Por Flávia Elisa

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: